O que pensa a tecnocracia tucana?

Blog do Renato

ELIAS JABBOUR

 
Subir na vida e ser inserido no mercado de trabalho e consumo foi uma conquista única para milhões de brasileiros nos últimos doze anos. Algo nunca ocorrido na história de nosso país nesta dimensão. Direitos sociais e trabalhistas foram consolidados. A ampliação da democracia é outra marca. Um mercado interno de massas tem sido construído e deve ser expandido. O sentido das mudanças e do futuro em um segundo mandato de Dilma Rousseff indicam o aprofundamento de rumos.
 
E o outro lado da história? O que a oposição quer de fato? O que pensam do Brasil e seu papel no mundo e na América do Sul? Acham possível controlar a inflação com baixíssimo índice de desemprego e tendência de alta na taxa de investimentos? Acreditam numa verdadeira liberdade de imprensa? Apoiariam a inserção ao processo político de movimentos sociais organizados sem apelar à violência policial?
 
A oposição, no…

Ver o post original 470 mais palavras

Em 2002 Santander também urubuzou o Brasil

Meu blog de política!

Em 2002 Santander também fez recomendação negativa sobre Brasil

Em 2002, durante a turbulência financeira nos mercados brasileiros no período que antecedeu a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva, o escritório de Nova York do Santander divulgou um relatório rebaixando os títulos brasileiros. Dias depois do segundo turno, o presidente do banco de origem espanhola, Emilio Botín, foi recebido por Lula, já eleito, no escritório do petista em São Paulo, e esclareceu que ele mesmo ordenou, no dia seguinte à divulgação do relatório, a demissão do analista e o fechamento do escritório.

A recomendação chamou a atenção uma vez que o Santander foi um dos…

Ver o post original 113 mais palavras

Mídia desaparece com o aeroporto presenteado à família de Aécio Neves

Blog do Renato

Segue, a olhos nus, pode se dizer que de forma explícita e pública, a marcha de uma bem montada operação da mídia e da oposição, para sumir com o aeroporto dos Neves do noticiário e, assim, proteger o candidato do PSDB, da mídia e dos conservadores, ao Planalto, senador Aécio Neves (PSDB/MG). Basta observar a cobertura no final de semana sobre o aeroporto construído pelo então governador de Minas, Aécio (2003-2010), com dinheiro público do Estado, no município de Cláudio (MG).

Reprodução

image

Aécio teme o crescimento da rejeição ao tucano (em média, em 17%, de acordo com as últimas pesquisas) depois da divulgação do Aeroporto dos Neves.

Ver o post original 717 mais palavras

Sobre desvios do dinheiro público e eleições!

Novamente durante o período eleitoral vem à público novas denúncias de mau uso dos dinheiros públicos: Aecioportos em Minas Gerais, mesadas pagas por ONGs a agentes públicos e caixa 2 em campanha eleitoral no Rio de Janeiro, dentre outras.
Embora a questão seja supervalorizada pela mídia comercial e familiar com o intuito de criar na população a visão de que “todo mundo é igual”, já que a corrupção impacta em 2% do nosso PIB, segundo pesquisador da FGV. Para um PIB de 4 trilhões de reais, isto é, um prejuízo de 80 bilhões de reais.
A sonegação atinge um volume de prejuízo público de 200 bilhões de reais por ano. 2,5 vezes pior que a corrupção! Por que, então, a maioria das pessoas se indigna tanto com a corrupção, mas não com a sonegação? Por que se organizam passeatas contra a corrupção, mas não contra a sonegação, que é 2,5 vezes pior?
Ainda assim é uma questão relevante que necessita ser enfrentada!
As duas principais fontes de desvio dos dinheiros públicos são: 1 – Financiamento privado de campanhas eleitorais e 2 – Contratação de empresas/ONGs para realizarem funções do Estado.
Corrupção não é problema de POLítica, é problema de POLícia! Notem que o início das palavras é igual, mas o final totalmente diferente. Mas não basta responsabilizar individualmente quem desvios e crimes comete. É necessário criar mecanismos institucionais que inibam o desvio de recursos públicos!
Uma parte da solução está na proibição do financiamento de grandes empresas à campanhas eleitorais, apontando para o financiamento público exclusivo de campanha, punindo com perda de mandato/inelegibilidade quem não cumprir a Lei e proibindo as empresas de obterem contratos com o Poder Público, porque não existe corrupto sem corruptor! Se alguém se vendeu, é porque alguém comprou!
Além disso o fortalecimento do serviço público, com a concomitante valorização dos servidores e condições de trabalho, em todos os níveis evita que empresas/ONGs sejam contratadas para fazerem funções que são do Estado, evitando assim as “caixinhas e agrados” concedidos pelos empresários!

Estado e sociedade civil

Blog do Sorrentino - Projetos para o Brasil

Luiz_WernekO notável acadêmico Luiz Werneck Vianna, da PUC-Rio, faz longa e alentada entrevista que desejo compartilhar com os leitores e leitoras.

O professor se notabiliza por uma análise da situação brasileira centrada na relação entre a esfera pública e o Estado, viés bastante utilizado na história do debate dos problemas brasileiros, a partir de visão patrimonialista do Estado nacional. Aplicou o mesmo critério aos governos do PT, acusando-o de falta de republicanismo, não exatamente de democracia (antes pelo contrário).

É crítico do nacional e popular como eixo para uma abordagem de um projeto nacional. Ele diz nesta entrevista, analisando os problemas atuais – notadamente as manifestações de junho de 2013 – que “a relação entre a esfera pública e a sociedade civil é vital. Mas a nossa sociedade civil está rebaixada”.

O núcleo central não é para se perder de vista: “Ficou claro que há uma distância imensa entre a…

Ver o post original 378 mais palavras

A guerra política contra Dilma

Blog do Sorrentino - Projetos para o Brasil

Antena

A ordem unida soou há tempos e está superativa: desconstruir Dilma Rousseff, impor-lhe a derrota, a que preço for. O trabalho da mídia e da oposição, somada até com a suspeita ajuda de Eduardo Campos, lembra Gil Vicente com suas cantigas de maldizer, “aquelas que fazem os trobadores […] descubertamente; e em elas entram palavras que querem dizer mal e nom [devem] haver outro entendimento senom aquele que querem dizer chãamente”.

O terrorismo econômico é cotidiano na mídia com uma blindagem anti-Dilma e pró oposição – o exemplo de Alckmin e a crise do abastecimento de água é gritante. A maldição da organização da Copa não se comprovou, e a mídia recolhe o que cuspiu para cima. O pessimismo promovido pelos empresários e rentistas se reflete nas pesquisas de modo claramente contraditório: o pesquisado não teme o seu desemprego e o de seu entorno, mas registra um clima “geral” de…

Ver o post original 862 mais palavras